s√°bado, dezembro 9, 2023
In√≠cio ¬Ľ DF n√£o registra casos de febre maculosa desde 2020

DF n√£o registra casos de febre maculosa desde 2020

Em humanos, quando não tratada, a enfermidade consegue ter mais de 80% de letalidade. Saiba os sintomas da doença

por Ayrton Lemos
0 Coment√°rio

A morte prematura e s√ļbita de um casal jovem no interior de S√£o Paulo chamou a aten√ß√£o para a febre maculosa. A doen√ßa √© transmitida por picada de carrapato infectado com bact√©rias da fam√≠lia Rickettsia. Em humanos, quando n√£o √© tratada, a letalidade pode passar de 80%. A enfermidade √© considerada rara e o Distrito Federal n√£o registra nenhum caso h√° tr√™s anos.

Durante uma viagem pelo interior de São Paulo (SP) e Minas Gerais (MG), a mulher percebeu picadas de inseto no corpo antes de os sintomas aparecerem. Com a persistência do quadro de febre e dor de cabeça em ambos, o casal procurou o serviço de emergência no dia 7 de junho, mas os dois morreram um dia após a internação. Os exames encaminhados para o Instituto Adolfo Lutz, laboratório com sede em São Paulo, confirmaram a morte dos dois em decorrência da doença.

Segundo o subsecret√°rio de Vigil√Ęncia √† Sa√ļde do Distrito Federal, Divino Valero, √© necess√°rio buscar ajuda nos primeiros dias de sintoma, pois o atendimento r√°pido para tratar a doen√ßa faz toda a diferen√ßa. J√° para evitar a contamina√ß√£o, Divino alerta que √© preciso combater o parasita.

‚ÄúO DF est√° vigilante quanto aos casos tanto na vigil√Ęncia epidemiol√≥gica quanto na ambiental. Isso faz parte da nossa rotina. E na situa√ß√£o da febre maculosa, os cuidados seguem bem parecidos quanto √† vigil√Ęncia do meio ambiente e de animais. Fazendo o manejo ambiental, conseguimos evitar o carrapato, e consequentemente, a doen√ßa‚ÄĚ, explica.

A doença

Arte: Secretaria de sa√ļde

A febre maculosa brasileira √© uma doen√ßa infecciosa transmitida pelo carrapato-estrela ou micuim da esp√©cie Amblyomma cajennense, n√£o sendo passada diretamente de pessoa para pessoa nem pelo contato com animais infectados. A bact√©ria R. rickettsii √© propagada aos humanos e aos animais apenas por meio da picada de um carrapato infectado. Mais comum entre os meses de maio a novembro, a doen√ßa tem tratamento por meio de antibi√≥ticos. Quanto mais precoce for o diagn√≥stico, maior ser√° a chance de cura.

‚ÄúO DF est√° vigilante quanto aos casos tanto na vigil√Ęncia epidemiol√≥gica quanto na ambiental. Isso faz parte da nossa rotina. E na situa√ß√£o da febre maculosa, os cuidados seguem bem parecidos quanto √† vigil√Ęncia do meio ambiente e de animais‚ÄĚDivino Valero, subsecret√°rio de Vigil√Ęncia √† Sa√ļde do Distrito Federal

Hospedeiros mamíferos amplificadores (cães, bois, cavalos, capivaras, etc.) são animais predispostos à infecção por R. rickettsii, mantendo níveis circulantes da bactéria na corrente sanguínea, o suficiente para causar infecção de carrapatos que dele se alimentem.

O bi√≥logo e gerente da Vigil√Ęncia Ambiental de Vetores, Animais Pe√ßonhentos e A√ß√Ķes de Campo (Gevac), Israel Moreira, destaca que, na capital federal, √© mais comum apontar as capivaras como principais transmissores. ‚ÄúPesquisa da Secretaria de Meio Ambiente mostrou que h√° infesta√ß√Ķes de carrapatos em √°reas n√£o visitadas por capivaras, refor√ßando que outros animais tamb√©m s√£o importantes na dissemina√ß√£o de parasitas. Inclusive o cachorro, animal t√£o pr√≥ximo ao ser humano‚ÄĚ, explica. Para ele, √© fundamental manter os animais dom√©sticos bem cuidados, dando banho e utilizando frequentemente carrapaticidas. Al√©m disso, √© preciso manter o quintal e as √°reas com mato alto bem cuidados.

Transmiss√£o

Para que haja a transmiss√£o, os carrapatos devem permanecer fixados √† pele do hospedeiro por um per√≠odo vari√°vel entre seis e dez horas, o suficiente para que a bact√©ria seja reativada na gl√Ęndula salivar e em seguida espalhada pelo corpo. Os carrapatos, al√©m de vetores, s√£o tamb√©m reservat√≥rios e amplificadores de R. rickettsii.

O carrapato-estrela, da esp√©cie Amblyomma cajennense, transmissor da doen√ßa, pode ser encontrado em animais de grande porte, al√©m de c√£es, aves dom√©sticas, gamb√°s, coelhos e, especialmente, na capivara. O per√≠odo de incuba√ß√£o varia de dois a 14 dias ap√≥s a picada (m√©dia de sete dias).

Quando buscar atendimento de emergência

Os sintomas t√™m in√≠cio de forma repentina, com febre ‚Äď de moderada a alta ‚Äď, que dura geralmente de duas a tr√™s semanas, acompanhada de dor de cabe√ßa, calafrios, congest√£o das conjuntivas (olhos vermelhos).

A les√Ķes ‚Äď parecidas com uma picada de pulga ‚Äď apresentam, √†s vezes, pequenas hemorragias sob a pele e aparecem em todo o corpo, nas palmas das m√£os e na planta dos p√©s. Diferentemente do que acontece em outras doen√ßas, como sarampo, rub√©ola e dengue hemorr√°gica, por exemplo.

Saiba mais

⇒ Cada fêmea de carrapato infectada pode gerar até 16 mil filhotes aptos a transmitir R. rickettsias;
⇒ Os cães, muitas vezes, não apresentam nenhum sintoma da doença;
‚áí √Č essencial fazer com frequ√™ncia a higiene dos animais com carrapaticidas. O uso do produto deve ser realizado tanto em c√£es dom√©sticos quanto em animais de grande porte como o cavalo ou boi;
‚áí Sempre aparar o gramado rente ao solo.

*Com informa√ß√Ķes da Secretaria de Sa√ļde

você pode gostar

Deixe um coment√°rio

Portal de Notícias 

Saiu no DF, Saiu aqui.

Escolhas dos editores

Artigos Mais Recentes